SE PRECISAR CLICK AQUI PARA TRADUZIR

terça-feira, setembro 26, 2006

O vôo




É preciso alçar vôo.. bater as asas e migrar
Procurando rumos
Procurando lar
Procurando realizar sonhos
Procurando Paz...

sábado, setembro 16, 2006

Pererecas

Fico sempre a me lembrar das palavras de um profesor: "Os sapos, rãs e pererecas estão desaparecendo do planeta..."
Muitos podem achar: E daí? Odeio esses bichos gelados mesmo, que sumam!

Mas eu, bióloga e professora, gosto e muito desses animaizinhos...
São tão interessantes! Teve um tempo que criamos uma em nosso laboratório... mas infelizmente, ela morreu.
Fico com pena de tirá-los da natureza, sabedora que sou de seu misterioso desaparecimento em massa, porém me fascinam e tento em vão, criá-las perto de mim, em um terrário.

Mas, voltando ao assunto, mesmo em áreas não degradadas pelo homem, esses anfíbio estão correndo risco de extinção.
Porque seria?
Fico a pensar, a temperatura global está aumentando. Seriam eles tão sensíveis a essas alterações?

No futuro, o que nos espera? Uma invasão de insetos, já que seus predadores estão desaparecendo?
Tomara que não, e que algum pesquisador consiga deter esse processo!
Afinal, não são interessantes e lindos?

Beijo
Ah! Vejam isto, retirado do mesmo site do link acima


Berçários Suspensos
Por: Henrique Wogel
Passada a agitação dos machos durante o comportamento de corte, cantos nupciais, duelos agressivos e lutas acirradas dão lugar ao silencioso e envolvente acasalamento das pererecas, quando machos e fêmeas unem-se com uma única finalidade: produzir novos descendentes.

No momento em que o macho alcança a fêmea, ele sobe em suas costas e segura-a fortemente, com seus braços próximos às axilas dela. É o chamado abraço ou amplexo axilar. Neste momento, o casal está pronto para dar início ao comportamento de oviposição, ou seja, iniciar a liberação dos óvulos pela fêmea, a fertilização destes pelos machos e, ao mesmo tempo, a construção do ninho. Como acontece com a maioria dos anfíbios anuros (sapos, rãs e pererecas), a fertilização dos óvulos se dá externamente (do lado de fora) ao corpo da fêmea (ao contrário dos mamíferos, por exemplo, que fazem fertilização interna).
Porém, de um modo muito especial, a perereca da folhagem deposita seus ovos sobre folhas de árvores ou arbustos que estiverem suspensas em qualquer corpo de água, como poças e lagos. Daí a utilização da expressão berçários suspensos. A folha utilizada para depositar a desova é cuidadosamente dobrada pelo casal, ao mesmo tempo em que a fêmea libera os óvulos e o macho os fertiliza. Ao final da fertilização, o macho abandona a fêmea, que permanece sozinha para fazer os retoques finais no seu valioso ninho (que também será abandonado pela ela).


Juntamente com os óvulos, a fêmea libera grande quantidade de pequeninas cápsulas de água. Essas cápsulas, mais o fato de a folha permanecer dobrada, garantem a hidratação, a proteção contra dessecação e, conseqüentemante, a sobrevivência dos embriões durante toda a fase em que permanecem fora da água. Passados alguns poucos dias, os girinos, em tamanho maior, começam a se movimentar ainda dentro dos ovos gelatinosos. Esses movimentos rompem os ovos e, passando por um orifício na ponta da folha, os girinos caem na água, onde completam seu desenvolvimento até atingirem a metamorfose