SE PRECISAR CLICK AQUI PARA TRADUZIR

domingo, abril 29, 2012

MINUANO




O minuano sopra e entra pelas frestas da casa
A um canto uma mulher fia na roca e espera
É este o destino de toda mulher destas bandas
Esperar...

terça-feira, abril 03, 2012

TUDO BEM


Tudo bem
tudo bom

fazendo nada a tarde toda
fazendo nada?

Estou lendo.
Na minha fase atual estou lendo grandes escritores brasileiros e portugueses: Eça de Queiros - li OS MAIAS, Jorge Amado - TOCAIA GRANDE, e hoje, estou lendo O MOLEQUE RICARDO, de José Lins do Rego.

Ocupando a mente, ocupando o coração.
Não gosto mais de assistir TV. Quase nada ne atrai.
Da net, cansei também, gosto de ler meus blogs favoritos, de escrever um tanto, pesquisar mais ou menos - não ando lá muito para estudos...
Facebook? Enjoei. De verdade, cansei.
Como se ocupa uma tarde, se só estou trabalhando de manhã? Uma de minhas amigas me liga todos os dias, convidando: "Vamos sair? " mas, cadê vontade?
Ontem fui levar o carro para dar uma "ducha de posto" e depois fui ver o escapamento que estava barulhento. Choveu muito, muito mesmo, de não dar para enxergar mas passou logo. Quase o tempo que fiquei lá, com os moços arrumando o carro.
Saí de lá contente, com a sensação de TER FEITO ALGUMA COISA, no meu dia...
Pensei em fazer isto como trabalho, que tal uma personal "resolve coisas chatas do seu dia -a-dia"? Tipo levar o carro para lavar e consertar, e ... e aí não sei, precisava ter mais alguma coisa, para eu fazer, de personal faz coisas chatas...
Mas não consigo pensar em nada agora, então digamos que ainda fica no ar.
Levar cães para passear não gosto. Arrumar armários de bagunceiros, também não. Seria mais como levar o carro mesmo para alguma coisa, acho. Será que rola?
Sei não.

Estava pensando também nas coisas que estou lendo. Pobreza.
Pessoas que vivem no mangue. No meio do cheiro fétido, com a agua entrando pela casa.
Quase sem ter o que comer. Catando caranguejo.
Recife, anos atrás.
Favelas, atualmente.
Aqui, ali e acolá. Em toda parte. Em todo lugar do mundo.
Infelizmente.
E até quando? Até sempre?