SE PRECISAR CLICK AQUI PARA TRADUZIR

quarta-feira, dezembro 26, 2007

GIRAFAS









Desde pequena tenho amor e admiração por girafas. Animais maravilhosos, únicos em seu aspecto doce e elegante...


Há várias espécies, já tive contato com algumas, quase levei uma lambida de sua longa e negra língua.


Amo girafinhas de brinquedo. Minha sobrinha ganhou uma ontem, no Natal, também quero, eu disse, e quero mesmo. São lindas!
Não parece tão linda na foto, mas mexe o pescoço ou só a cabeça quando apertamos o pino...
Eu quero!!!





de onde tirei as fotos...


domingo, dezembro 09, 2007

Mata Atlântica




Trecho da mata - foto tirada em outubro/2007




Praia de Ubatuba - Praia do Alto - out/2007
Lindos cantos e recantos de nosso litoral brasileiro

QUEBRA QUEIXO

Quem conhece esta delícia de doce?
A origem eu não sei, se é ou não do Brasil, mas sei que aqui muitos e muitos, como eu ADORAM este doce!
Vai a receita junto se alguém quiser tentar... nunca fiz, nem sei se da certo, mas com certeza vou fazer pois é divino!
Nesta época de comilanças de Natal, um doce que não é desta época mas é muito bom!






Quebra-queixo
.
.
:: Ingredientes
2 quilos de côco fresco ralado grosso2 e 1/2 quilos de açúcar cristal1 colher (sopa) de ácido cítrico* ou 1/2 copo americano de suco de limão 1/2 litro de água:: Modo de Fazer
Em uma panela grande caramele 500 g de açúcar. Quando estiver dourado, acrescente a água aos poucos para não açucarar, o ácido cítrico ou o suco de limão e deixe ferver até formar uma calda.
Junte agora o restante do açúcar e o côco ralado. Mexa no sentido de vai-e-vem, até obter um composto dourado e a calda ficar em ponto de fio forte (teste pegando um pouco da calda entre os dedos. Abra os dedos, se formar um fio resistente, está no ponto).
Espere 10 minutos sem mexer e transfira o Quebra-Queixo para um tabuleiro untado com manteiga. Espere esfriar e sirva cortado em pedaços
Nota: *O ácido cítrico é encontrado facilmente em farmácias que vendem produtos naturais

sexta-feira, novembro 16, 2007

La Vie en Rose





Dominique Glocheux escreveu 512 mensagens em um livrinho cor-de-rosa e aqui reproduzo apenas uma:

COMPRE CADERNINHOS EM ESPIRAL PARA PODER SEMPRE TOMAR NOTA DE SUAS IDÉIAS.




Sempre carrego comigo bloquinhos de papeis que sobraram grampeados... anoto nomes de livros, filmes que vejo em revistas de consultórios, anoto coisas que se passam pela minha cabeça, anoto nomes, cores... enfim, anoto pensamentos e outras idéias mais.

domingo, outubro 21, 2007

Lado Bom

Porque não falamos aos outros das coisas boas vindas do governo?
A tendência mais forte é para criticar, mas enfim, algo de bom também acontece sobre o sol do Brasil.

Recentemente tinha um restinho de FGTS para receber.. . entrei na fila de informações, após ja ter dado entrada, dias antes, para saber se ja estava liberado o dinheiro.
O atendente, que é um agente de cidadania da cidade me atendeu com muita educação, mas com pouca informação, pois quando perguntei se deveria ir ao caixa ou ao caixa rápido para receber, informou-me que deveria pegar a fila - enorme neste dia, que seria melhor.
Após alguns minutos na fila e esperando, e pensando, desisti, pensando em tentar o CARTÂO DO CIDADÃO - no caixa rapido, o que eu ja havia perguntado ao atendente e ele disse que nao daria certo.
Pois se nao desse, voltaria no dia seguinte, com mais tempo e ânimo para enfrentar a fila, e quem sabe, encontrá-la um tanto menor.
Qual nao foi minha surpresa, em menos de tres minutos o dinheiro estava na mao, no caixa rapido, com o cartão do cidadao.
Para quem nao tem ainda, faça. Funciona. Ajuda na hora de receber o PIS, o FGTS e se você precisar, o seguro desemprego também, tudo rápido e facil, no caixa rapido da Caixa - ou até nas lotéricas.

Uma coisa boa do governo que ninguem fala. Mas é bom.

Mais informações no site da CAIXA: http://www.caixa.gov.br/fgts/cartao_cidadao.asp
Ipe branco, todo lindo, coberto de flores...

Foto tirada por uma aluna, no celular... em agosto

quarta-feira, setembro 26, 2007

SAUDADES


Você já sentiu saudades de um tempo, uma canção , um momento na sua vida?

Aquela saudades de um tempo que passou, a recordação da pessoa que um dia você foi, das pessoas que conviveram com você e sonharam seus sonhos naquele momento.

Crianças, adolescentes, jovens ou adultos, todos vivemos momentos raros e especiais que marcaram nossas vidas e ficaram impressos em nossas mentes.

Ás vezes, basta um cheiro, uma música ou um sabor para vir a tona e nos fazer recordar com amor o tempo em que o fato se passou.

Daí ficamos cultivando a lembrança daquele momento bom, daquelas pessoas, enfim, daquela frase de tempo em nossa vida em que experimentamos a felicidade e parecia que a tocávamos com as mãos...


Dedicado a professora do meu terceiro ano primário, Maria Cristina, que sempre me incentivou a escrever e elogiou minhas redações infantis.





domingo, setembro 09, 2007

Paineira














Paineira- árvore da praça central de São José dos Campos - SP - Brasil
Uma das que mais gosto, são enormes e lindas, entre julho e setembro estão liberando as sementes, envoltas em paina - tipo de algodão, que eram muito utilizadas nas tecelagens para fabricar mantas e cobertores, há mais ou menos vinte anos atrás, aqui em São José.
Por onde vamos passando, vamos encontrando alguns exemplares destas lindas árvores, no parque da Cidade, no centro, nas avenidas que ligam Santana ao Centro ou ao Alto da Ponte. Em frente a escola na Vila Cândida também temos algumas.
Nesta época, pode-se coletar as sementes no chão, para replantarmos.
Para saber mais: http://www.guiabioagri.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=209&Itemid=2

Paineira em floração. Maravilhosa!

segunda-feira, setembro 03, 2007

Dia do Biólogo










SER BIÓLOGO

PENSANDO BEM...
SER BIÓLOGO NÃO É SÓ CUIDAR DE PLANTAS E ANIMAIS
SER BIÓLOGO É ACREDITAR NA IMORTALIDADE DA NATUREZA
E QUERER PRESERVÁ-LA SEMPRE MAIS BELA.
SER BIÓLOGO É OUVIR OS RUÍDOS DA NATUREZA,
MAS PRINCIPALMENTE ENTENDÊ-LOS E AMENIZÁ-LOS.
É GOSTAR DE TERRA MOLHADA
DE MATO FECHADO, DE LUAS DE SOL E DE CHUVAS
SER BIÓLOGO É SE IMPORTAR SE A NATUREZA SOFRE.
SER BIÓLOGO É APROXIMAR-SE DE INSTINTOS.

É PERDER MEDOS
È GANHAR AMIGOS QUE JAMAIS IRÃO DECEPCIONÁ-LOS
SE BIÓLOGO É TER ÓDIO DE GAIOLAS, JAULAS E CORRENTES

É PERDER TEMPO ENORME APRECIANDO VÔOS DE GAIVOTAS





É PERMANECER DESCOBRINDO, ATRAVÉS DA NATUREZA
A SI MESMO.
SER BIÓLOGO É TER CORAGEM DE PENETRAR NUM MUNDO DIFERENTE
E SER IGUAL.
É SER CAPAZ DE ENTENDER GRATIDÕES MUDAS.
MAS, SEM DÚVIDA NENHUMA, AS ÚNICAS VERDADEIRAS
É ADIVINHAR OLHARES, E LEMBRAR DO SEU TEMPO DE CRIANÇA.
SER BIÓLOGO É CONVIVER LADO A LADO COM ENSINAMENTOS PROFUNDOS
SOBRE O AMOR E A VIDA
autor desconhecido
















Aniversário





Parabéns a mana querida
Que anda distante
Tantos anos sem ver te
Moras no meu coração
E amo-te com toda força


E, embora nem sempre nos falemos
Embora nem sempre possa te abraçar
Te amo
E hoje em especial
No teu dia, que também é um pouco meu
Te deixo meu beijo, meu carinho, meu amor
Parabéns, você que é tão batalhadora
Tão forte e tão querida!
Sinto saudades e a espera
De que estivesses por aqui em julho
Só aumentou nossa vontade
De estar contigo de novo

Fica bem, com Deus e feliz dia!

quinta-feira, agosto 30, 2007

À toa



Eu e o João Pedro, em dezembro passado.


Depois de duas semanas sem escrever ou ler por aqui, estou de volta.






Acho que dá pra viver sem internet, sem blog, sem orkut ou e-mail.






Li vários livros (quatro), neste período, fiquei mais tempo na sala com o João e ajudei mais o João Pedro com as tarefas.






Tá mais difícil ficar sem tirar fotos.

Ainda mais que meus caminhos estão cheios de ipes floridos amarelos!

Um encanto para os olhos e o coração...

Mas que é gostoso voltar para o "mundo virtual" também é.



Acho que o ideal é sabermos dosar o tempo entre as coisas mais importantes para todos.



terça-feira, agosto 14, 2007

SAUDADES

Saudades de tanta coisa!
De receber cartas do correio sem ser contas...
De receber e mandar cartões em datas como o Natal e aniversário, com a letra da pessoa desejando tantas coisas boas...

Saudades de minha irmã e sobrinha morando longe, longe, ao alcance da Web, mas distantes do toque, do cheiro, das sutilezas da presença que nenhuma câmera é capaz de captar.

Saudades de brincar na rua, de não ter preocupações com dinheiro, com filhos, com nada a não ser estudar; de poder andar de chinelos e descalça, correndo na rua de terra;
De sentar na beira de um rio e pescar com meu pai e todas minhas irmãs, e mamãe, que nos preparava salada de pepino, um prato de arroz e frango assado de padaria para passarmos o dia inteiro.

De ouvir na rádio quando eles queriam tocar a música preferida, daquele cantor/a ou banda que não tínhamos ainda o "disco" e só ouvíamos quando por acaso tocava na TV ou rádio locais;

Saudades de um tempo em que as autoridades eram respeitadas e todos ou melhor, muitos tinham valores morais desde pequenos, e sabedores de seus direitos e deveres não os desrespeitavam como hoje vemos tantos jovens, crianças e por vezes adultos fazendo.

Tive duas experiências ruins estes dias com relação a mudança de valores das pessoas.

Primeiro, perdi meu celular (telemóvel, em Portugal?).
Onde? Em frente de minha casa, do outro lado da calçada, mas eu não sabia.

Quem encontrou foi a filha de minha vizinha do lado. Que fizeram eles? Ao invés de tentar localizar o dono, através dos muitos contatos na agenda, simplesmente o deixaram desligado, tiraram o chip e apagaram qualquer dado ou vestígio do antigo dono, no caso, dona, que sou eu.

Pois bem. Não sou fã de celulares. Confesso, não gosto muito de andar grudada a este aparelhinho.
Vira e mexe, ele está descarregado, dentro de minha bolsa, do meu carro ou no armário, de casa ou da escola.
Na verdade, é mais usado para meu marido me ligar, guardar números de pessoas que encontro na rua, e eventualmente, bancos ou outros estabelecimentos comerciais me localizarem quando não estou em casa.
Tanto é que apesar de meu filho me ligar dizendo que estava tentando me encontrar pelo celular um certo dia em casa, só fui achar que havia perdido ele uma semana depois.
Achei que ele estava descarregado, em algum canto da casa ou até do carro, e só depois de procurar lá, pensei tê-lo perdido.
Pois é, coincidência ou não, na manhã do domingo, isto de procurar foi no sábado, uma vizinha veio cedo em casa, e a pretexto de pedir uma bobagem emprestada(uma folha de alface!?) disse ao meu marido que os outros vizinhos haviam achado um celular.
Vai de lá e vem de , perguntei se era assim e assado, enfim: era o meu.
Sem chip, ou melhor, com chip trocado, ligações redirecionadas para o numero de sei la quem, tudo apagado e com código de bloqueio, essa porcaria parece que agora não iria servir para mais nada, a não ser ver as horas e pra isso uso relógio ou para tacar na parede (vontade não faltou).

Bom, ainda tendo que PROVAR que o dito cujo era meu, fui na casa da vizinha na segunda explicar e perguntar se por acaso, vejam bem, haviam trocado o chip.

Sim achamos o celular e nem pensamos que fosse seu, trocamos o chip, mas imagina, se soubéssemos teríamos devolvido logo, na hora, foi o que disseram.

Perguntei : Não viram os nomes de João, Jean, Ivan, casa?
(marido e filhos e o telefone daqui de casa)
_Não, se tivesse visto, já saberia que era seu, mas as crianças mexeram em tudo e devem ter apagado, só vimos uma tal de Ana, mas aqui na rua não tem nenhuma Ana, então achamos que era de alguém de longe...
(Ana é minha irmã, ia saber que era meu se ligassem para ela. )
E na verdade, disse ainda, quando achei, nem pensei em procurar o dono, pois se o dono que procurasse e ligasse - como(?), se o telefone estava sem o chip e descarregado eu me pergunto...
Enfim, deste episódio fica uma pergunta: Celular achado não é roubado?
Se o nome de varias pessoas conhecidas do dono estão la, e ate o da casa, não é o correto ligar e dizer," olha estamos com seu celular, venha aqui para buscar..." ou coisa que o valha?
ACHEI, é MEU....?????

Será que meus valores são tão diferentes do da maioria das pessoas?
Será que a lerda sou eu, de não perceber logo a perda e ligar atrás e então , passado uns dias, azar, já era?

Juro que não sei.
Este post está longo demais, mas fica como desabafo, pois a maré de azar foi grande, e esse episódio detalhado só ilustra uma perda.
A outra foi de nossa máquina de fotografia digital, que ao levarmos para ver se tinha conserto, esquecemos no Shopping.
Dois dias depois ao procurar, cadê? Já era.
Poxa, mas não acharam que tem dono, não poderiam ter entregue na administração do shopping?
Não.
Se fosse um boné talvez devolvessem, mas coisa de valor....Foi o que ouvimos da segurança do mesmo.

Fazer o que?

domingo, julho 22, 2007

IPÊS



Tempo de flores nas lindas árvores da Mata Atlântica - Brasil: Ipês.

Muito utilizada em paisagismo, aparecem em quase todas as ruas de minha cidade.

Quando acabam de florir os roxos e rosas, como o da foto, começam a florir os amarelos e os brancos... Neste ano, os roxos estão especialmente lindos devido a condições de temperatura e falta de chuva.


Embelezam nossos dias, e não há como não notá-los, são explêndidos!








segunda-feira, julho 16, 2007

Beijo


De onde vem o beijo?
Vem do fundo da alma... de dentro do coração?



Do sentimento mais profundo
Ou do desejo?
O roçar da boca
O umedecer dos lábios
O encontro
O deleite

A entrega
A delícia
Beijo doce

Beijos quentes
Beijos ardentes!








"O beijo nao vem da boca..."







Inácio de Loyola Brandão

sexta-feira, julho 13, 2007

DIA INTERNACIONAL DO ROCK















Neste dia quero homenagear o grupo de rock que para mim é o melhor:





QUEEN





Ao meu querido Freddie Mercury um carinho especial








Milhares de músicas compostas que tocam fundo no coração de seus fãs, clipes inesquecíveis, performances maravilhosas, shows superlotados, o carinho dos fãs, a verdadeira admiração a esse grupo, que tanto contribuiu e contribui ainda para a história desse gênero musical.

O Rock, que já foi motivo de preocupação das mães e da sociedade em épocas passadas, que já motivou milhares de jovens a se rebelar contra as normas pré estabelecidas, que encantou platéias, um ritmo musical que mexe com as pessoas, que traduz sentimentos, e que me emociona e encanta.



Viva o Rock, viva Freddie, viva Queen!


A todos os fãs do rock, e em especial aos fãs do Queen, uma pequena homenagem.












quinta-feira, julho 05, 2007

POESIA DE ADÉLIA PRADO

Pranto para Comover Jonathan

Os diamantes são indestrutíveis?
Mais é meu amor.
O mar é imenso?
Meu amor é maior,mais belo sem ornamentos
do que um campo de flores.

Mais triste do que a morte,
mais desesperançadodo que a onda batendo no rochedo,
mais tenaz que o rochedo.
Ama e nem sabe mais o que ama.



Descobri hoje não por acaso as poesias desta escritora, que parece-me, pelas poesias que li, ter muito a ver comigo.


Tempo

A mim que desde a infância venho vindo

como se o meu destinofosse o exato destino de uma estrela

apelam incríveis coisas:

pintar as unhas, descobrir a nuca,piscar os olhos, beber.

Tomo o nome de Deus num vão.

Descobri que a seu tempo

vão me chorar e esquecer.

Vinte anos mais vinte é o que tenho,

mulher ocidental que se fosse homem

amaria chamar-se Eliud Jonathan.

Neste exato momento do dia vinte de julho

de mil novecentos e setenta e seis,

o céu é bruma, está frio, estou feia,acabo de receber um beijo pelo correio.

Quarenta anos:

não quero faca nem queijo.

Quero a fome.



___.___

Tenho vinte mais vinte e um. Há dois meses, descobri a nuca- cortei meu cabelo curto - "moderno?", pintei as unhas hoje. Pra me sentir mais bela. Bem arrumada. Tinha festinha na escola, de despedida do semestre.

Não queria me chamar Eliud, nem sei como me chamariase não fosse mulher.

Fiz quarenta em 2006. Neste exato momento, não estou feia, me sinto bonita, está frio.

Tenho fome: fome de viver, de me reconstruir, de crescer, de amar mais e mais, a tudo, a todos.






foto tirada do site: www.laurapoesias.com/datas_especiais/mulher/m...
Um vento bateu dentro de mim e não tive jeito...


Poesia de Pablo Neruda, tirado do site: www. los-poetas.com , inclusive a figura






Para que tú me oigas

mis palabras

se adelgazan a veces

como las huellas de las gaviotas en las playas.


Collar, cascabel ebrio

para tus manos suaves como las uvas.


Y las miro lejanas mis palabras.

Más que mías son tuyas.

Van trepando en mi viejo dolor como las yedras.


Ellas trepan así por las paredes húmedas.

Eres tú la culpable de este juego sangriento.


Ellas están huyendo de mi guarida oscura.

Todo lo llenas tú, todo lo llenas.


Antes que tú poblaron la soledad que ocupas,

y están acostumbradas más que tú a mi tristeza.


Ahora quiero que digan lo que quiero decirte

para que tú las oigas como quiero que me oigas.


El viento de la angustia aún las suele arrastrar.

Huracanes de sueños aún a veces las tumban.


Escuchas otras voces en mi voz dolorida.

Llanto de viejas bocas, sangre de viejas súplicas.

Ámame, compañera. No me abandones. Sígueme.

Sígueme, compañera, en esa ola de angustia.


Pero se van tiñendo con tu amor mis palabras.

Todo lo ocupas tú, todo lo ocupas.


Voy haciendo de todas un collar infinito para tus blancas manos,

suaves como las uvas.

terça-feira, julho 03, 2007

Gordos

Conversando na tarde de domingo ouvi uma
frase que me fez refletir e querer escrever sobre:
"As pessoas gordas são mal vistas, os outros as acham relaxadas, preguiçosas,
desleixadas."

Alguns até dizem, foi tão bonita, hoje está "gorda", sendo quase sinônimo de feia.

Porque será o preconceito?
Todos, ou quase todos, com o tempo engordamos um tanto.
Olhe para você. Pra mim, para o Freddie Mercury.
Olhe teus amigos de adolescência ou infância ontem e agora.
Carecas, mais gordos, quase sempre.

No entanto, olhamos mesmo as pessoas mais gordas com o ar de que são gordos porque querem.
Porque comem demais. Porque não se cuidaram e não se cuidam.
Porque gostam de ser gordos.

Fala-se hoje nos meios científicos de uma epidemia de obesidade.
Tudo colabora: fast foods, eletrodomésticos a facilitar a vida e diminuir os esforços, controles remotos, computador, carros mais acessíveis a todos. Bolachas recheadas, com muita gordura trans, salgadinhos, petiscos, chocolates e doces, refrigerantes à vontade de todos.
Preguiça de andar. De se exercitar. Falta de grana para a academia. Cansaço e stress do dia-a-dia. Televisão, consumismo, oferta...
Tudo facilitando a obesidade: comidas, frustrações, desilusões... enfim.

Existem tantas faces dessa questão. Tenho na família gordinhos e gordinhas. Outros mais obesos. Todos sempre e sempre lutando hora ou outra para não engordar mais, ou para emagrecer.
A obesidade agrava problemas de saúde, ou os causa.

A cada um, um espaço para reflexão.

quinta-feira, junho 28, 2007

Aniversário de um ano deste blog


Engraçado, como realmente o tempo passa tão depressa.

Hoje faz um ano que comecei a escrever este blog!

A gente começa para se distrair, desabafar e acaba um vício, uma necessidade.


Parabéns para mim e para este blog!



segunda-feira, junho 18, 2007


Porque eu sou do tamanho do que vejo
E não do tamanho da minha altura ...
(...)
...porque a nossa única riqueza é ver."
Alberto Caeiro



Galileu Galilei
1564-1642
"Quanto à introdução de novidades.

Quem poderia duvidar que leve às piores desordens quando mentes que Deus criou livres são compelidas à submissão escrava a uma vontade externa?

Quando nos dizem que devemos negar a evidência de nossos sentidos e sujeitá-las ao capricho de outros? Quando pessoas sem qualquer competência são tomadas juízes de peritos e se lhes outorga autoridade para tratá-los como lhes aprouver?

São essas as novidades capazes de levar à ruína das comunidades e à subversão do Estado."
(Diálogos Sobre os dois Principais Sistemas do Mundo)

sábado, junho 16, 2007

Um índio
Caetano Veloso

Um índio descerá de uma estrela colorida brilhante
De uma estrela que virá numa velocidade estonteante
E pousará no coração da América num claro instante
Depois de exterminada a última nação indígena
E o espírito dos pássaros, das fontes, de água límpida
Mais avançado que a mais avançada das mais avançadas das tecnologias
Virá
Impávido que nem Muhammad Ali
Virá que eu vi
Apaixonadamente como Peri
Virá que eu vi
Tranquilo e infálivel como Bruce lee
Virá que eu vi
O axé do afoxé Filhos de Gandhi
Virá
Um índio preservado em pleno corpo físico
Em todo sólido, todo gás e todo líquido
Em átomos, palavras, alma, cor, em gesto, em cheiro,
em sombra, em luz, em som, magnífico
Num ponto eqüidistante entre o Atlântico e o Pacífico
Do objeto sim, resplandecente, descerá o índio
E as coisas que eu ele dirá, fará, não sei dizer assim de um modo explícito
Virá
Impávido que nem Muhammad Ali
Virá que eu vi
Apaixonadamente como Peri
Virá que eu vi
Tranquilo e infálivel como Bruce lee
Virá que eu vi
O axé do afoxé Filhos de Gandhi
Virá
E aquilo que nesse momento se revelará aos povos
Surpreenderá a todos não por ser exótico
Mas pelo fato de poder ter sempre estado oculto quando terá sido o óbvio

© Ed. Gapa

sábado, junho 09, 2007

Parque da Cidade












Vista de um caminho no Parque da Cidade, onde foram plantadas palmeiras imperiais, no tempo em que ainda era uma fazenda, da família de Olívio Gomes, que possuía uma fábrica de tecidos, conhecida como Tecelagem Parahyba.




Esta fazenda possuía muitos empregados, e este caminho de palmeiras ia das casas dos empregados para a escola, direcionando as crianças que lá moravam e estudavam.








O projeto dos jardins foi feito pelo paisagista Roberto Burle Marx com lagos espelhados e com plantas nacionais e exóticas.






Lugar lindo e cheio de belezas naturais...
Um lugar em que gosto de estar e aonde fomos com os alunos da escola que trabalho para comemorarmos o Dia do Meio Ambiente...









Um dia comum


Em um sábado de feriado


Em que nada de mais aconteceu


Um dia de sol


E de conversas jogadas ao vento


Um dia para ler


E se atualizar


Fomos ao centro e nossa como está tudo tão cheio de gente!

Não sei se por estarmos próximos ao Dia dos Namorados

Ou se por causa do inverno que chega de vez

Tanta gente comprando, andando, comendo!

A cidade em polvorosa

As pessoas agitadas

Mas na paz

Sem atropelos

Sem mau humor

Tranquilos


Um dia bem comum... E bom!

terça-feira, junho 05, 2007

Dia Mundial do Meio Ambiente

Contemplação:














BRASIL MEU BRASIL BRASILEIRO...





Fotos lindas tiradas do site do IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis

domingo, maio 27, 2007

Pássaros

foto de JOÃO MARCOS ROSA
Maria-faceira (Syrigma sibilatrix)


Para quem gosta de aves, entre elas os pássaros, acessem o link acima e terão muitas informações !


Maria-faceira ( Syrigma sibilatrix )
Identificação: simplesmente inconfundível. É a única garça brasileira com este padrão de coloração.Ave de aspecto e comportamento singulares.

É a única garça originalmente brasileira que vive tanto em locais alagados quanto em locais secos, estando presente até mesmo em áreas de caatinga.Costuma viver sozinha ou aos pares em territórios fixos. Passa a maior parte do tempo no solo, andando a procura de insetos. Quando em regiões alagadas nunca se aventura em águas profundas, preferindo as margens alagadas, ricas em vegetação, onde se alimenta não só de insetos, mas também de anfíbios e peixes como o muçum (Synbranchus marmoratus) e a tuvira (Gymnotus carapo), ambos adaptados a águas barrentas.É uma das primeiras aves a aparecer quando o solo é arado e apanha avidamente minhocas e outros invertebrados removidos pelas máquinas. Seu canto é muito diferente da vocalização da maioria das garças, que costuma ser grave. Consiste em assobios longos, altos e melódicos, que a ave emite principalmente ao entardecer quando se retira para seu poleiro noturno no alto de árvores.Enquanto a maioria das garças voa com o pescoço dobrado em “S” a maria-faceira costuma voar com o pescoço esticado. Apesar de viver a maior parte do tempo no solo esta ave constrói o ninho em árvores. O material básico para a construção do ninho são gravetos dispostos de forma pouco organizada. A maria-faceira é uma das primeiras espécies de aves a colonizar áreas recém-queimadas e aparentemente sua distribuição vem aumentando em função do desmatamento.
Enviado em 20/02/2007, 13:21 por Rodrigo Girardi Santiago







quarta-feira, maio 23, 2007

A TUA VEZ

Copyright Alex Uchôa
Desejo-te a tua vez

Na santa paz dos caminhos

Com a saúde que mereces

Com o amor que necessitas

Com as sagradas benesses

Das virtudes benditas

A tua vez - que ela chegue,

E a retenhas no espaço

Onde moram as esperanças

Que são irmãs da certeza.

Desejo-te uma vez de beleza

Pura, vitrine sem baços,

Como a alma das crianças

E que a tua vez

Desta vez

Seja no céu tecida

Pois se o destino costura

A vida das criaturas

Os anjos são as agulhas

E a linha quem dá é Deus...


poesia de: OLAVO DUMMOND